VÍRUS HIV É ERRADICADO DO GENOMA DE ANIMAIS PELA 1ª VEZ

Pela primeira vez na História, cientistas conseguiram eliminar o vírus HIV de animais vivos, feito que representa um importante passo em direção ao desenvolvimento de uma cura definitiva em humanos. A pesquisa envolveu erradicar o vírus do genoma de ratinhos de laboratório por meio da técnica de edição genética CRISPR-Cas9 e, a próxima fase envolverá aplicar o mesmo método em primatas – para, depois, caso os resultados sejam positivos, avançar para ensaios clínicos com pessoas.

Progresso
Uma das dificuldades em se encontrar uma cura para a infecção do HIV é que o vírus se transforma conforme se prolifera pelo organismo, além de ser capaz de introduzir seu próprio material genético em nosso DNA, o que permite que ele continue se reproduzindo. Por conta dessa característica “mutante” do HIV, a melhor arma da qual dispomos atualmente para o combate da infecção é o uso da terapia antirretroviral – que faz com que o vírus permaneça latente e não afete o sistema imunológico dos infectados.

Esse tratamento, embora seja eficaz em evitar que o vírus se replique, não o elimina do organismo, não evita por completo que ele seja transmitido a outros humanos e deve ser seguido por toda a vida pelos infectados. Já o novo método em desenvolvimento se baseia em remover fragmentos do DNA do vírus a partir de células infectadas e usar drogas antirretrovirais para erradicar o HIV por completo e de forma definitiva.

Na pesquisa, conduzida por cientistas da Universidade de Nebraska e da Universidade Temple, ambas nos EUA, a equipe usou ratinhos modificados para apresentar uma bioquímica semelhante à de humanos, removeu grandes fragmentos do HIV a partir de células infectadas e empregou a CRISPR para rastrear os tecidos nos quais o vírus poderia estar “escondido” e destruí-lo.

Depois, o time usou drogas antirretrovirais que foram modificadas e administradas por meio de nanocristais capazes de viajar até tecidos nos quais o vírus poderia estar presente – mesmo que dormente – e liberar o medicamento de forma gradual ao longo de várias semanas. O uso dessa terapia teve como objetivo permitir que a técnica de edição genética tivesse tempo de detectar os genes do vírus e dizimá-los, e foi a combinação dessas duas abordagens que garantiram o sucesso dos experimentos.

Pelo menos com os ratinhos “transgênicos”, o índice de sucesso foi de 5 animais completamente curados dos 13 que passaram pelo tratamento. Conforme mencionamos, a próxima fase da pesquisa envolverá experimentos com primatas – tanto para testar a segurança de se usar a edição genética, como a eficácia do novo método – e, se tudo correr bem, buscar aprovação para ensaios com humanos.

(Fonte: The Journal/Reprodução)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *